Tapeçaria
 

Estilisticamente, as tapeçarias seguiram os principais movimentos artísticos-gótico, renascentista, barroco – e constituíram peças de alta qualidade para as casas de ricos e poderosos.

  

Muitos tipos diferentes de tecelagem de tapeçarias têm sido praticados no mundo todo. O tipo mais conhecido de tapeçaria é um quadro grande e antigo, tecido de lã e retratando uma cena bíblica, mitológica ou desportiva. Em essência, tapeçaria é um artefato têxtil de trama aparente – tecido a mão, não bordado, - com cada cor limitada somente à área onde é necessária. Os desenhos para tapeçarias costumavam ser retirados de temas clássicos, realizados por artistas famosos. Uma cópia – o cartão ou desenho de trabalho – era feito no mesmo tamanho do trabalho determinado. Dois tipos de teares eram usados, o de alto liço (haute lisse) e o de baixo liço (basse lisse). No primeiro a tecelagem era trabalhada verticalmente, produzindo uma reprodução exata da cópia; na segunda, a tecelagem era feita horizontalmente produzindo uma imagem espelhada. É provável que as tapeçarias mais famosas do mundo sejam os conjuntos Unicórnio, atualmente no Museu Cluny, em Paris, e em The Cloisters, em Nova York. Durante muitos anos a origem dessas tapeçarias Unicórnio permaneceu um mistério, mas um estudo recente atribui sua manufatura a Bruxelas, cerca de 1500.

 
Tapeçarias flamencas
 

O Patrocínio da corte de Borgonha no século XV garantiu o sucesso dos tecelões de Arras, até a cidade ser tomada por Luís XI de Anjou em 1477. As obras típicas de Arras retratavam pomares e jardins ou cenas de caça, e eram repletas de folhas e flores. A cidade de Tournai, centro de tecelagem, tornou-se mais importante com o declínio de Arras, e suas tapeçarias mostram em minúcias cerimonial, moda, flores e arquitetura de vida na corte contemporânea da Borgonha. Ypres, Bruges, Gand e Oudennarde foram outros centros de produção de tapeçarias flamengas. Oficinas em Bruxelas tornaram-se famosas por trabalhos de alta qualidade, e no Renascimento muitos belos temas alegóricos e bíblicos foram tecidos, assim como millefleurs e verdura (folhagens). Os Atos dos Apóstolos,o importante conjunto desenhado por Rafael para o papa Leão X, levou quatro anos para ser tecido e foi copiado pelas oficinas parisienses de Gobelins e pelas oficinas de Mortlake, perto de Londres, entre outras. A confecção de tapeçarias em Bruxelas entrou em declínio no final do século XVIII.

 
Tapeçarias francesas
 

No século VIII os sarracenos invadiram a França, e os que permaneceram no país após a retirada do exército trouxeram com eles a arte da tecelagem de tapeçarias (opus saracenicum). No século X foram criadas oficinas em Saumur, Tours, Reims e Bellegarde. Um dos trabalhos mais importantes é um conjunto de painéis retratando 70 cenas do Apocalipse, iniciado em 1376 por Luiz de Anjou.

O ministro do comércio de Luís XIV, Colbert, recomendou que Gobelins fosse nomeada manufactura de la Couronne, com subsídio real, em 1662. Sob a direção de Charles Lê Brun (1619-90), Gobelins desenvolveu-se, tecendo desenhos barrocos admiráveis como a História de Diana, desenhada por Toussaint, e Os Meses, segundo Lucas van Leyden. Durante o século XVIII, a voga eram tapeçarias de baixo liço chamadas alentours, criadas por pintores como François Boucher. Alentours eram painéis de estofamentos para conjuntos completos de cadeiras e sofás, que podiam ser tecidos em teares horizontais. Tinham no centro uma cena pastoral emoldurada ou uma pintura clássica com um fundo imitando adamascado, adornado com cupidos, festões e buquês. Jean-Baptiste Huet (1745-1811), o famoso desenhista das oficinas de estampagem de algodão de Jouy, também desenhou estampados rococó e chineses para Gobelins.

Em 1864-Philippe Beéhagle (falecido em 1705) tornou-se diretor da oficina de tapeçaria de Beauvais. Béhagle revitalizou as oficinas em declínio, produzindo 11) cerca de 20 conjuntos diferentes em 21 anos. O desenhista Jean Bérain (1637-1711) foi seu colaborador, e os dois produziram, entre outros, os famosos “ Grotescos”, usando motivos orientais marinhos e musicais, pelos quais Bérain é famoso. Em 1726 o desenhista Jean- Baptiste Oudry (1686-1755) foi contratado, sendo que suas obras mais famosas foram as Fábulas de La Fontaine, muito reproduzidas.Boucher desenhou para Beauvais o famoso conjunto “italiano”, ilustrando a vida rústica idílica, e o conjunto “chinês”, um presente do rei para o imperador da china.

Os produtos de Aubusson__- vegetação cenas de caça e temas religiosos- eram secundários e não mereceram atenção especial até meados do século XVIII, quando houve grande demanda por pequenos estofados decorativos, com os quais a fábrica destacou-se. Os desenhos de Oudry em Beauvais para as Fábulas de La Fontaine foram emprestados e usados muitas vezes, e os padrões de qualidade foram aperfeiçoados, trazendo reconhecimento para esses móveis.

 
Tapeçarias inglesas
 

As tapeçarias inglesas mais antigas ainda existentes foram confeccionadas nas oficinas de Willian Sheldon (falecido em 1570) em Barcheston, Warwickshire, em meados do século XVI. A especialidade de Sheldon eram mapas de países, tecidos com características arquitetônicas e geográficas, com nomes de cidades trabalhados em letras romanas maiúsculas. Peças pictóricasmostrando a influência flamenga também foram produzidas. As obras entraram em declínio no início do século XVII, com a predominância das oficinas de Mortlake, que recebiam patrocínio real.

A fábrica de Mortlake foi fundada em 1618 sob a direção de Sir Francis Crane (falecido em 1636). As primeiras tapeçarias ali confeccionadas, ilustrando a história de Vulcano e Vênus, foram encomendadas pelo príncipe de Gales, futuro Carlos I. É provável que as tapeçarias mais famosas de Mortlake sejam Os Atos dos Apóstolos.

Outras oficinas de tapeçaria na Inglaterra foram estabelecidas em Soho, onde Paul Saunders (falecido em 1770) teceu lindas peças para casas nobres, e em Fulham, onde a fábrica de Pierre Parisot (1697-1769) teceu telas bonitas e caras, além de estofamento para cadeiras.

 

Main Menu

Newsletter

             
Participe do newsletter Lago Notícias
E-mail:

Parceiros